ZUMBA

Débora Böttcher Lessa

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, amante da literatura e de chocolate. Vive um dia de cada vez. Mora em SP. Trabalha com arte visual, mídias sociais e mkt. Não tem filhos. Vive com o marido e Maya, uma labradora cor de cacau, e Luna, uma labradora black. Também administra Babel Cultural.
Débora Böttcher Lessa

Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

ZUMBA_01Você certamente já ouviu falar da Zumba, né? O Programa Zumba foi criado pelo colombiano Beto Perez na década de 1990, em sua cidade natal Cali, na Colômbia, e é a nova queridinha das Academias, como aposta para colocar o corpo em forma para o Verão.

Com coreografias fáceis e divertidas, a modalidade mistura diversos ritmos e promove alto gasto calórico. Na minha adolescência, essa mistura de aeróbica com música era chamada de GRD (Ginástica Rítmica Desportiva) e eu era adepta – trocava as aulas de Educação Física por ela (era uma opção no colégio São José,  em Campinas, onde eu estudava).

Conquistando cada vez mais fãs e adeptos, as coreografias se fazem através de ritmos latinos e internacionais. A mistura de hip hop, pop, rap, bhangra, flamenco, dança do ventre, dança africana, além da salsa, merengue, cumbia e reggaeton permite que se tenha um alto gasto calórico sem sentir muito o esforço e, segundo especialistas educacionais da Zumba (já tem!), as aulas, que duram de 45 minutos à uma hora, podem queimar até mil calorias.

Com o objetivo principal de afugentar o estresse, alterna-se movimentos rápidos e lentos, e não é preciso saber dançar para a prática. Outra vantagem é que, segundo os especialistas, não se precisa de um condicionamento específico ou habilidade especial – basta ter vontade de fazer a aula.

A Zumba se diferencia de outras atividades aeróbicas porque a combinação de ritmos provoca oscilação da frequência cardíaca que faz com que o corpo experimente diversos níveis de intensidade sem pausa. Isso possibilita um gasto calórico maior e mais eficiente. As músicas (que geralmente mudam de quatro em quatro minutos) e a dinâmica da aula (passos fáceis e instruções na hora), funcionam como entretenimento – ou seja,  você perde calorias enquanto se diverte.

No Brasil, a Zumba Fitness já é oferecida em muitas academias e os preços variam entre R$10 e R$ 30 por aula. Há instrutores fazendo grupos em Condomínios e Clubes, com aulas duas vezes por semana – se você tem um espaço, pode juntar algumas amigas e contratar um instrutor.


Veja também esse Roteiro de Caminhada.


Divulgação/Zumba Fitness
Divulgação/Zumba Fitness

Quer fazer Zumba em casa, sozinha? Também dá. A coleção Exhilarate traz sete DVDs com ritmos internacionais e coreografias para ajudar a perder calorias e espantar o estresse.

Os exercícios foram divididos de acordo com os ritmos musicais e os discos trazem opções diferentes de exercício. O disco “Rush”, por exemplo, ensina um exercício de 20 minutos para os que estão com pressa, enquanto no DVD “Exhilarate” a aula dura 60 minutos e alterna diferentes músicas. E para quem gosta de videogames, há os jogos de Zumba para as três maiores plataformas (Wii, PS e X-box).

Não é barato, mas pode compensar: a primeira coleção de DVDs foi lançada pela Zumba Fitness em 2001;  a atual (quarta edição) você encontra a partir de R$240,00 (Polishop).


No Youtube você também encontra vários vídeos com aulas completas. Separamos esse pra você começar. Vamos mexer o esqueleto?! 😉

Débora Böttcher Lessa

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, amante da literatura e de chocolate. Vive um dia de cada vez. Mora em SP. Trabalha com arte visual, mídias sociais e mkt. Não tem filhos. Vive com o marido e Maya, uma labradora cor de cacau, e Luna, uma labradora black. Também administra Babel Cultural.

Troque ideias conosco!