UM NOME PARA O SEU SONHO

Débora Böttcher Lessa

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, amante da literatura e de chocolate. Vive um dia de cada vez. Mora em SP. Trabalha com arte visual, mídias sociais e mkt. Não tem filhos. Vive com o marido e Maya, uma labradora cor de cacau, e Luna, uma labradora black. Também administra Babel Cultural.
Débora Böttcher Lessa

Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

Dizem as estatísticas que as mulheres são as grandes empreendedoras da ‘era aberta’ do mundo. À frente de negócios grandes e pequenos, muitas de nós são a mão que impulsiona a marcha da economia (e muitas já ocupam cargos no alto escalão de gigantes do mercado). Depois dos 40, infelizmente, o mercado de trabalho tem poucas portas abertas a nossos talentos e para continuar em atividade muitas vezes é preciso inovar e partir para o próprio negócio.

Mas bem sabemos que realizar o sonho de estar à frente de um ‘negócio pra chamar de meu’, é tarefa que exige dedicação, pesquisa, desprendimento e mais um sem número de considerações. Meu pai sempre nos alertou sobre o fato de usar o próprio nome à frente de uma empresa – se, por ex., depois se quer vender, surge o primeiro impasse: ninguém quer adquirir e tocar um negócio que tem um nome personalizado que o liga à algo único.

googledoodle

Confira algumas recomendações sobre o ‘nome perfeito’ se você sonha com essa empreitada – e boa sorte!

 :. Prefira nomes curtos – são mais fáceis de memorizar e uma marca se torna forte quando é lembrada pelo consumidor.

:. Escolha um nome fácil de pronunciar – isso ajuda a localizar a marca na web, por exemplo.

:. Não copie o concorrente – nomes parecidos confundem o consumidor e podem gerar complicações judiciais.

:. Evite nomes muito comuns – eles não distinguem a marca das demais empresas existentes no mercado.

:. Não use seu nome – embora seja uma forma de personalizar o negócio, se a empresa for vendida, ou falir, seu nome ficará associado a ela.

:. Evite nomes que façam sentido só para você – para ter um maior alcance, ele deve ser auto-explicativo e ser coerente com o propósito comercial da empresa.

:. Registre a marca – faça uma consulta previa no INPI e certifique-se de que a marca está disponível para ser usada e registrada (acesse o site do INPI).

:. Registre o domínio – faça uma busca na internet e cheque se não há outra empresa com o mesmo nome (para consulta, acesse o site Registro Br).


Fonte: Estadão / Imagem: Google


Débora Böttcher Lessa

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, amante da literatura e de chocolate. Vive um dia de cada vez. Mora em SP. Trabalha com arte visual, mídias sociais e mkt. Não tem filhos. Vive com o marido e Maya, uma labradora cor de cacau, e Luna, uma labradora black. Também administra Babel Cultural.

Troque ideias conosco!