PERU

Débora Böttcher Lessa

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, amante da literatura e de chocolate. Vive um dia de cada vez. Mora em SP. Trabalha com arte visual, mídias sociais e mkt. Não tem filhos. Vive com o marido e Maya, uma labradora cor de cacau, e Luna, uma labradora black. Também administra Babel Cultural.
Débora Böttcher Lessa

Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

capa_peruO peru de Natal é uma ave que serve muitas pessoas. Essa receita natalina nem sempre é tão fácil de preparar, mas algumas dicas podem ajudar a preparar o “Peru de Natal perfeito”.

É importante que o peru esteja completamente descongelado – isso garante que na hora em que a carne for ao forno, ela asse por completo. A dica é descongelar com 12 horas de antecedência: então, se você vai assá-lo na véspera, retire o peru do freezer na noite do dia 23, deixando-o na geladeira. Na manhã do dia 24, você o tempera – para que o peru pegue o gosto do tempero, é preciso marinar umas 6 horas. Mesmo que ele não esteja totalmente descongelado, você o tempera e o devolve para geladeira até a hora de assar.

Uma dica: mesmo que você compre um peru já temperado (acho que de todas as marcas já vem), eu sugiro que você faça um tempero próprio, ainda que leve – nem precisa lavar o peru ou deixar de molho como muitos sugerem para tirar o tempero original; basta acrescentar o seu tempero, fazendo pequenos furos com uma faca em todas as extremidades, e despejando o molho em cima, tantos nos furos feitos como por fora – daí leva à geladeira durante 6 horas para que a carne pegue bem o sabor.

Eu tempero com os seguintes ingredientes: manjericão fresco picado, alho e cebola bem picadinhos, umas três colheres de manteiga derretida e sal (eu uso tempero pronto alho e sal, que raramente uso sal direto na comida). Você pode bater no liquidificador – eu não bato, apenas misturo todos os ingredientes e ‘lambuzo’ o peru, deixando-o marinando; mas se preferir bater, coloque um pouco da ‘água’ que descongelou do peru para ajudar a dissolver.

Algumas pessoas adicionam vinho – aqui em casa eu não uso, porque meu marido não bebe. Então, fica a critério. Pessoalmente, eu acho que não precisa – até porque, quando a gente faz comida para muita gente, o melhor é não incrementar muito para que se agrade ao maior número de convidados. Se você desejar adicionar, acredito que duas taças sejam suficientes – de vinho branco seco.

Lá pelas três da tarde, você pode colocar o peru no forno: forre uma assadeira com papel alumínio suficientemente grande para cobrir todo o peru, coloque o peru em cima e cubra. Leve ao forno pré-aquecido a 180°C e asse durante 3 horas e 30 minutos, regando algumas vezes. Para regar o peru durante o processo, retire a carne do forno e abra o papel alumínio. Como é um processo delicado e que corre risco de haver acidentes, faça isso 3 vezes – você vai regar por cima com o molho da própria assadeira.

Dica: O ponto do peru é uma das maiores dúvidas: não confie 100% no pino que vem junto com ele, pois muitas vezes pode falhar. Existem dois métodos de verificar o ponto da carne: um é colocar um garfo após 3 horas de cozimento e tirar – se o molho sair escuro, espere mais 20 minutos. A outra é através do termômetro de cozinha que pode ser encontrado em lojas de artigos culinários. O termômetro deverá ser espetado no peru, e a temperatura deverá ser de 80°C.

Eu uso o método mais simples: após 3 horas eu tiro o papel alumínio de cima e deixo dourando – mais meia hora a quarenta minutos. Nunca teve erro.

A ‘água’ e o tempero do peru, geralmente não secam totalmente, deixando a carne molhada – e isso é bom porque o peru é das carnes mais secas que existem. E esse tempero que assou junto com o peru, deve ser usado para regar o peru na travessa final – onde ele será decorado com frutas, como abacaxis ou outras de sua preferência, como cerejas, uvas, kiwis, figos: você pode escolher à vontade, sem medo de errar.

cebolinha_cozida
Foto “Um Engenheiro na Cozinha”

Eu gosto de servir com o peru mini cebolinhas – que são chatinhas de descascar, mas compensam. Se você quiser experimentar, deve ferver as cebolinhas após descascá-las para tirar um pouco da acidez e também amolecê-las. E eu faço o seguinte: coloco 2 colheres de margarina e as cebolinhas para dourar numa panela, salpicando um pouquinho de açúcar; acrescento uns dois dentes de alho; quando estiverem dourados – cebolinhas e alho -, junto a parte do líquido da assadeira do cozimento do peru e deixo ferver; acrescento uma xícara de água com uma colher de farinha de trigo bem dissolvida, sempre mexendo bem, e 2 cubos de caldo de galinha. Acrescento mais uma xícara de água, deixo ferver mais um pouquinho e está pronto. Esse molho, eu esquento na hora de servir para regar o peru.

Feliz Natal!

Débora Böttcher Lessa

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, amante da literatura e de chocolate. Vive um dia de cada vez. Mora em SP. Trabalha com arte visual, mídias sociais e mkt. Não tem filhos. Vive com o marido e Maya, uma labradora cor de cacau, e Luna, uma labradora black. Também administra Babel Cultural.

Troque ideias conosco!