LUNA, NOSSO SATÉLITE NEGRO

Débora Böttcher Lessa

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, amante da literatura e de chocolate. Vive um dia de cada vez. Mora em SP. Trabalha com arte visual, mídias sociais e mkt. Não tem filhos. Vive com o marido e Maya, uma labradora cor de cacau, e Luna, uma labradora black. Também administra Babel Cultural.
Débora Böttcher Lessa

Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

Na manhã de 31 de Julho eu estava no Dentista quando duas fotos pipocaram no meu celular: vinham da Veterinária que cuida das nossas ‘filhas de quatro patas’ – naqueles dias, só Maya, uma Labradora Chocolate de sete anos.

A Dra. Valéria de vez em quando mandava fotos. Ela dá suporte a uma Ong que resgata animais abandonados e cuidava de uma Labradora ‘Black’, Lua, deixada no Posto de Gasolina em frente ao Condomínio em que moramos.

Luna – Arquivo Pessoal

A mensagem dizia: “Olha que linda, a cara de vocês!”

Mas ela sabia que as chances comigo eram poucas. Desde que nossa Brinny, a Basset de 15 anos, havia nos deixado – na véspera do Natal em 2015 -, eu afirmava não querer um novo cachorro. Maya, apesar de sempre ter tido companhia, parecia bem adaptada – quando chegou para nós, em Junho de 2010, presente da minha enteada para a celebração dos 60 anos de Raul, meu marido -, duas Bassets moravam na casa, Sandy e (sua filha) Brinny. Sandy nos deixou em Dezembro daquele mesmo ano, e Brinny cinco anos depois – e, no caso dela, eu sofri demais, porque era uma companheira espetacular, extremamente amorosa e adorável.

Repassei as fotos para Raul – mais pra me livrar da questão e não fazer pouco caso (adoramos a Dra. Valéria) – e, confesso, esqueci o assunto. Mas quando cheguei em casa, meu marido informou que ia lá vê-la – “Não custa nada, só pra não ignorar mais uma vez, e de repente pode ser uma boa companhia para a Maya.”  Desconfiei: como era uma questão ajustada entre nós não ter outro cachorro por enquanto, não entendi muito bem o argumento.  E avisei lacônica: “Apenas lar temporário – e  se for o caso, hein?”

Pouco mais de meia hora depois ele ligou avisando que ia trazê-la – lar temporário -, pois era muito querida e estava muito estressada no abrigo, magrinha -, e pediu para esperá-lo com Maya na área reservada para passeio de cães do Condomínio, para a aproximação entre as duas (dica da Vet).

Luna e Maya

Fui: ambas se reconheceram sem grandes problemas, mas ao chegar em casa começou o pampeiro: Maya, que é uma Labradora hiper pachorrenta e detesta barulho, não parava de latir. Lua deu algumas latidas – talvez pra se impor, porque também é hiper calma -, e a segunda-feira transformou a casa numa ‘praça de guerra’. Lembro-me de, dias depois, os vizinhos, ao entenderem o que havia se passado, comentarem que estranharam muito os latidos de Maya – só podia estar acontecendo alguma coisa muito nova! –, porque ela é conhecida pelo silêncio e tranquilidade.

Naquele dia o trabalho não rendeu – nós trabalhamos em casa e foi impossível concentrar-se. Instalou-se uma desordem completa e quase pedi para meu marido levar Lua de volta – do que eu teria me arrependido terrivelmente. Só que naquela segunda-feira o caos foi tanto, que achei que não seria mesmo possível para nós ter outro cachorro: Maya parecia disposta a nunca mais aceitar divisão. De modo que quando a noite chegou e trouxe certo silêncio a ponto de conseguirmos ouvir as notícias na TV, julgamos ter ocorrido um milagre (nós, que somos agnósticos, imagine só…).

Mas a madrugada ainda prometia mais surpresas, sustos e impactos. Sim, porque nenhum cachorro – nem gente, nem criança, nem ninguém – passa pelo abandono sem sequelas. E aquela primeira noite com um cão abandonado sob nossa guarda, nos deu uma dimensão terrivelmente triste da crueldade.

Sem nenhum histórico de sua vida pregressa de aproximadamente três anos, durante o dia já havíamos descoberto que essa Labradora gentil – como só os Labradores conseguem ser -, possivelmente tivera uma vida solitária, de piso frio (as patas ‘achineladas’ revelaram) e pouco contato humano. Ela não subia escadas, nem sofás ou camas. Mas era muito educada: não comia objetos e fazia suas necessidades no gramado. Não rejeitava afago, mas não esperava por ele.

Entretanto, o inesperado maior foi durante o sono. Aqui, os cachorros dormem dentro de casa – Maya dorme na nossa cama, assim como Sandy e Brinny sempre dormiram. Naquela primeira noite, por conta do stress do dia, arrumei os edredons para Lua no hall na porta do nosso quarto; fechamos a escada com grade para que não houvesse nenhum risco de queda, já que ela realmente não sabia subir ou descer sozinha. No hall há bastante espaço e da nossa cama conseguíamos vê-la. Aconchegada – e cansada – ela não demorou para se acomodar e adormecer, e nós também nos recolhemos.

Luna

Duas horas depois despertamos com um barulho que parecia balançar a casa. Quando se acorda subitamente, a gente demora um pouco pra tomar pé do que está ao redor e, num primeiro momento, achei que ela tivesse rolado escada abaixo. Mas então me lembrei que a tínhamos ‘fechado’. Quando me aproximei da porta, no escuro, entendi: no hall tem um banquinho de madeira e Lua havia ‘escorregado’ para debaixo dele – talvez acostumada a dormir sob alguma coisa; ela ‘chorava’ e se debatia, deitada, como se estivesse correndo, batendo na parede e movimentando o banco (que é leve). Nós a chamamos pelo nome, mas ela não acordava.

Senti medo: o que seria aquilo? Ela nos morderia se fosse tocada? Deveríamos nos aproximar? Arriscamos: chegamos perto, a tiramos de debaixo do banco, e a acordamos o mais delicadamente possível. Ela nos olhou assustada, um pouco confusa, mas quase imediatamente voltou a dormir.

Nós ficamos ali, paralisados, eu, Raul e Maya, cada um com seu estarrecimento, tentando imaginar o tamanho daquele estranhamento que ela vivenciava: uma casa desconhecida, gente que ela nunca havia visto, um lugar para dormir totalmente insólito, nenhum cheiro ou referência familiar. E, diante desse cenário, fizemos o que estava ao alcance: forramos a parede e toda a volta dela com almofadas, na tentativa de evitar qualquer desconforto ou mesmo que ela se machucasse. Ela teve ‘crises’ a noite toda, em horas intercaladas, e logo pela manhã ligamos para a Veterinária pedindo uma consulta (que certamente pensou que íamos devolvê-la); só que o que ela não sabia era que aquela ‘criança de quatro patas’ já morava em nossos corações. O que a gente precisava, era de algum tipo de amparo para saber como lidar com um passado obscuro.

E a partir daquele dia, ela passou a se chamar Luna; sua coleira de couro numerada foi devolvida para a Ong e ela ganhou uma coleira rosa com seu novo nome. Vacinação, banho e, a partir de então, todo amor, aconchego e cuidado que nos é possível lhe dar.

Luna e Maya

Nos dias que se seguiram, Maya e Luna foram se adaptando, assim como nós. No terceiro dia, com Maya já dividindo território, ela passou a dormir ao lado da cama. Descobrimos que ela tem uma certa fraqueza nas patas – provavelmente por passar muito tempo confinada e sem movimento. Devagar, ela aprendeu – inclusive com a ajuda de Maya – a subir e descer as escadas. Agora que é livre, passeia todos os dias, adora correr e brincar; mas por conta de sua limitação, tem muitas quedas e sente dor – mais ou menos um mês depois de estar conosco torceu uma das patas, que teve que ser imobilizada. Gradualmente, com vitaminas, alimentação e tratamento, vem fortalecendo sua musculatura e vai se adaptando a uma nova vida. Sua ansiedade também está diminuindo e ela já se aninha no sofá e na cama, recebe e dá carinho. Aos poucos, vai entendendo que essa é sua casa – e o será até o fim de seus dias.

As noites não chegam a ser calmas, mas as crises de ‘corrida noturna’ tem melhorado. Sempre nos perguntamos se ela era obrigada a correr de alguma coisa… Muitas vezes nos é difícil não saber nada sobre seu passado – embora, para nós, ela tenha nascido em 31 de Julho.

O que sabemos? Que seu ‘tutor’ (???) parou no Posto e enquanto sua SUV era abastecida, tirou-a do carro e começou uma conversa com o frentista, contando que estava se separando da mulher e não podia mais cuidar do animal. Pediu para o rapaz segurar a coleira enquanto ele efetuava o pagamento e, no segundo depois, entrou no veículo e arrancou rapidamente, sem olhar pra trás. A gente ouve tantas histórias assim, chega a pensar que são invenção…

Luna

Luna tem sido um presente diário para nós – e um aprendizado cotidiano. Nunca antes tivemos um animal adotado e tínhamos uma certa reserva exatamente pelo oculto que isso engloba. Mas ela nos ensina todo dia sobre a beleza de se dar uma chance ao que tememos, de acolher e deixar o amor cuidar dos mistérios.

Luna, nosso satélite negro, é nossa filha eterna, uma dádiva da vida. Tudo o que ela viveu antes de nós, por pior que tenha sido, não lhe tirou a doçura, mas lhe imprimiu uma amarga tristeza – que às vezes se vê em seu olhar, mas todo dia se desfaz um pouquinho. E o que esperamos, é ser para ela os ‘pais de duas pernas’ capazes de apagar todas as suas cicatrizes de descuido e desamparo, escrevendo todos os dias uma nova história – e, dessa vez, só de memórias  felizes.

***

Adote um animal abandonado. Se possível, adote um animal adulto.

Débora Böttcher Lessa

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, amante da literatura e de chocolate. Vive um dia de cada vez. Mora em SP. Trabalha com arte visual, mídias sociais e mkt. Não tem filhos. Vive com o marido e Maya, uma labradora cor de cacau, e Luna, uma labradora black. Também administra Babel Cultural.

Troque ideias conosco!