LEITES VEGETAIS

Débora Böttcher Lessa

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, amante da literatura e de chocolate. Vive um dia de cada vez. Mora em SP. Trabalha com arte visual, mídias sociais e mkt. Casada, 'mãe' da Maya, uma labradora cor de cacau, e da Luna, uma labradora black.
Também administra o Portal Babel Cultural [www.babelcultural.com]
Débora Böttcher Lessa

Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

leites_vegetaisNos últimos tempos, alguns médicos e nutricionistas vem chamando a atenção sobre os malefícios do leite; outros, só indicam a supressão do alimento a quem tem intolerância à lactose. Também há informações de que os processos de industrialização retiram do leite muitos dos seus benefícios, incluindo o cálcio, cuja absorção pelo organismo através do leite é mínima.

Leite e seus derivados não fazem parte da dieta de países como China, Japão, Vietnam, Tailândia, entre outros. Nesses países, com o menor consumo de leite, tem também o menor índice de osteoporose e fraturas ósseas. E os países com o maior consumo de leite tem as maiores taxas de osteoporose, como os Estados Unidos. Seja como for, a polêmica ainda está longe do seu final, mas notícias sobre recall de leites sempre assustam.

Como alternativa, estão aí os leites de nuts, chamados “Leites Vegetais”, que são carimbados como parte da alimentação vegetariana, mas podem entrar em qualquer dieta, angariando muitos benefícios.

O leite de amêndoas tem sido um substituto do leite de vaca desde a Idade Média. Feito através da mistura de amêndoas finamente moídas com água, não possui lactose e tem taxas muito baixas de calorias, carboidratos e gordura – ele também contém mais vitaminas e minerais do que leites de soja e arroz (esses últimos, melhor consumir na forma industrializada para garantir que estejam devidamente enriquecidos com as vitaminas e minerais que se precisa).

Dos mais nutritivos substitutos do leite disponíveis, ele não contém gorduras saturadas ou colesterol, mas ácidos graxos ômega-3 – por isso é muito bom para o coração. É rico em proteínas, fibras, e tem baixo teor de calorias – apenas 34 numa xícara de 200 ml; tem também uma taxa baixa de carboidratos e gorduras, sendo que a maior parte composta de gorduras boas ao organismo.

Como as amêndoas são ricas em vitaminas e minerais, o leite de amêndoa não precisa ser fortalecido. Amêndoas contêm vitamina E, manganês, selênio, magnésio, potássio, zinco, ferro, fibras, cálcio e fósforo – o flavonoides e a antioxidante vitamina E, encontrados no leite de amêndoas, ajudam a prevenir o câncer e retardar os sinais de envelhecimento.

Outro leite bastante nutritivo é o de Castanhas do Pará: as castanhas são excelentes fonte de Selênio e atuam como antioxidantes eliminando as impurezas do organismo. Seu teor de vitamina E e vitamina B1, exercem papel importante no fornecimento de energia e no metabolismo das proteínas.

Você ainda pode obter leite das Nozes: elas contém Ômega-3 e 6, vitaminas C e E, zinco, potássio e arginina, um aminoácido. Os benefícios das nozes são comprovados no controle da pressão arterial, na redução da taxa do colesterol ruim, o LDL, e até na cicatrização.

capa_leites_vegetais
Imagem: Tempero Alternativo

E o sabor dos leites vegetais? Obviamente, nada a ver com o leite tradicional a que estamos acostumados. Considero que a mudança tem que ser gradual, de modo a adaptar o paladar ao novo gosto. Outra coisa é a sensação de saciedade: ela é maior com menos quantidade, então se você costuma tomar uma xícara cheia de leite, diminua para pouco mais da metade.

Como fazer? Colocar 100 gramas de amêndoas cruas, nozes ou castanhas – ou junte um pouco das três somando 100 gramas – de molho na água por 12 horas – coloque à noite para preparar pela manhã.

Então jogue essa água fora e lave bem as nuts. Leve ao liquidificador e junte 3 xícaras de água filtrada e bata bem. Você pode adicionar uma colherinha de essência de baunilha, se preferir. Coe com uma peneira – pelo menos, três vezes – e está pronto para beber (se achar que ficou espesso ou de sabor muito acentuado, coloque mais um pouquinho de água e experimente até chegar ao seu paladar e na textura desejada). Guarde na geladeira – sempre em recipiente de vidro – e consuma em até três dias. Para fazer uma xícara, use 30 gramas – mais ou menos 20 amêndoas; ou umas dez castanhas; ou dez nozes.

O sumo que fica na peneira é muito nutritivo e pode ser usado em outras receitas, como patês, bolos e pães, vitaminas. Você também pode fazer barrinhas de cereais, juntando aveia, açúcar mascavo e passas, forrar uma assadeira com papel manteiga e ‘prensar bem a massa’. Leve ao forno durante cerca de 20 a 25 minutos, até ficarem douradas. Retire do forno e deixe descansar à temperatura ambiente durante alguns minutos para esfriar, e leve ao freezer para gelar bem – é importante que as barras esfriem para cortá-las, pois se cortar quente, elas se desfazem. Guarde num recipiente fechado e consuma em até uma semana.

Prove, experimente novos sabores!


* Fontes diversas

Débora Böttcher Lessa

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, amante da literatura e de chocolate. Vive um dia de cada vez. Mora em SP. Trabalha com arte visual, mídias sociais e mkt. Casada, 'mãe' da Maya, uma labradora cor de cacau, e da Luna, uma labradora black. Também administra o Portal Babel Cultural [www.babelcultural.com]

Troque ideias conosco!