KEFIR DE LEITE – BACTÉRIAS DO BEM

Estilo 40

Estilo 40

Revista digital coordenada por Débora Böttcher, com artigos escritos ou garimpados a muitas mãos, sobre assuntos para mulheres de 40 ou mais - e para as que chegarão lá... Aconchegue-se, curta, compartilhe nossos textos e convide uma amiga para nos conhecer! Siga-nos também no FB, Twitter e Instagram [@mulherestilo40]. Um beijo e obrigada por estar aqui.
Estilo 40

Últimos posts por Estilo 40 (exibir todos)

Imagem: ISTOCK
Imagem: ISTOCK

Você já deve ter ouvido falar de Kefir – se faz parte de grupos de mulheres no Facebook, certamente.

O kefir de leite (versão mais popular) é uma bebida fermentada e, reza a lenda que, há muitos anos, moradores da região do Cáucaso o misturaram com o leite e notaram que a mistura talhava (fermentava) e se transformava em uma iguaria muito parecida com o iogurte que consumimos hoje.

Porém, segundo pesquisadores em nutrição, ele é muito mais saudável e poderoso, pois contém uma grande população de leveduras e bactérias benéficas, compostas de partículas brancas gelatinosas, sobre uma matriz de proteínas e açúcares complexos (polissacarídeos).

Assemelham-se a floretes de couve-flor, e podem ser pequenos como uma ervilha ou crescer até o tamanho de uma noz. Os grãos fermentam o leite incorporando seus microrganismos no produto cultivado; depois de prontos, os grãos devem ser removidos com um coador antes do consumo do kefir e adicionados a uma nova porção de leite. O kefir pode ser feito com qualquer tipo de leite animal (vaca, cabra ou ovelha) – prefira os leites frescos ao invés dos de caixinha -, ou com leites vegetais (coco, arroz ou amêndoa) para os mais sensíveis ao efeito da lactose. Ele também pode ser preparado com água de coco e outros sucos de frutas.

Imagem: ISTOCK

Também conhecido como ‘quefir’, cogumelo tibetano, plantas de iogurte e cogumelo de iogurte, o kefir é produzido a partir da ação dos microrganismos presentes naturalmente nos grãos – o termo vem do eslavo ‘keif’, que significa bem-estar ou bem viver.

Seu principal benefício é ajudar na restauração da microbiota intestinal, podendo ser benéfico nos casos de alergias alimentares, ajudar na detoxificação do organismo e auxiliar na perda de peso – apesar de não ter essa função direta, indiretamente pode favorecer o processo porque melhora a microbiota intestinal, dando ao organismo um ambiente favorável ao emagrecimento, além de proporcionar saciedade,

Resumindo: o kefir aumenta a imunidade, melhora a densidade óssea, desinflama o intestino e ajuda em doenças inflamatórias do cólon, combate alergias e asma, detona a candidíase, melhora a digestão da lactose (ajudando quem tem intolerância), além de desintoxicar o corpo.


E para conseguir o Kefir?

É preciso ter algum amigo ou conhecido que já tenha uma colônia – as pessoas doam, de bom grado, um punhado de grãos. Ele vai se multiplicar no leite (ou na água – os kefirs tem composição diferentes e você deve especificar se deseja obter de leite ou de água) e logo você também poderá ser um doador e presentear quem quiser. Foi por meio das doações que o kefir se difundiu pelo mundo.

Imagem: ISTOCK

Na internet e em casas de produtos naturais você encontra o kefir desidratado para comprar, mas isso não é necessário. Em grupos do Facebook – normalmente de mulheres – sempre tem alguém que pode (e gosta de) doar. Busque em grupos de bairros próximos ao de sua casa para facilitar a retirada.

A pessoa vai doar ‘uma muda’ (mais ou menos, uma colher de sopa de grãos) num potinho de vidro (ou mesmo de plástico – e, nesse caso, você deve passá-lo para um potinho de vidro o quanto antes) -, coberto com uma gaze ou papel toalha – isso é imprescindível para que o kefir ‘respire’ (nunca feche o vidro com a tampa, pois o kefir tem microorganismos e probióticos vivos, que precisam respirar). 


Como manipular o kefir?

Um dos cuidados se deve ter é com os materiais utilizados no manuseio – metais, alumínio, ferro ou madeira não são indicados. Use sempre materiais de vidro ou plástico – use colheres de plástico para mexer os kefirs (sempre delicamente) e vidro para armazenar. 

O cuidado com a higiene é, sem dúvida, um dos principais pontos de atenção na hora de ter um kefir em casa, justamente para não haver contaminação e proliferação por outras bactérias patogênicas.

A dica é separar uma colher, uma peneira e um coador de pano apenas para essa finalidade e sempre esterilizar os vidros (basta passar água quente antes de armazenar os kefirs).

Imagem: Shutterstock

Importante observar também se existem grãos com manchas amarelas, marrons ou verdes – neste caso, não estão aptos para o consumo e, portanto, devem ser descartados.


E como preparar o kefir?

Na proporção equivalente: 1 col. de sopa de kefir para 300ml de  leite – preferencialmente leite fresco, orgânico ou vegetal, pois eles se alimentam de lactose e açúcar.

No kefir de água, acrescentar ¼ de xíc. de açúcar mascavo na proporção acima.

Quanto mais grãos, mais rápida a fermentação. Manter em ambiente fresco, com temperatura em torno dos 20ºC – deixar num armário da cozinha ou dentro do forno (desligado) – e cobrir o recipiente com uma gaze ou outro tecido que tenha furinhos (como aqueles de sacolinhas de sapatos e presentes (bem lavados), por exemplo), ou ainda papel filme ou papel toalha (nesse caso, faça furinhos para passagem de ar), para evitar contaminação, e prenda com um elástico.

Descansar de 12 a 24 horas (quanto maior o tempo, mais azedinho ficará e dias frios podem levar mais tempo) e no máximo 72h. Quando o líquido estiver mais denso, pode-se coar – ele será semelhante a um iogurte líquido, que deverá ir para a geladeira por mais algumas horas para depois ser consumido.

Para produzir um iogurte semelhante ao Iogurte Grego, você deve colocar esse iogurte espesso para coar – use um coador de café de tecido. Após uma média de oito horas, você terá o Iogurte Grego no coador – se colocar uma colherinha de azeite e uma pitada de sal, terá um cream cheese -, e um soro, que serve para produzir uma bebida semelhante ao Yakult – a esse soro, adicione a metade equivalente de leite, gotinhas de baunilha e um pouco de açúcar ou adoçante. Algumas pessoas indicam misturar um suco em pó da marca Mid, sabor baunilha com limão – ele dá o sabor quase exato do Yakult como o conhecemos.

Os grãos coados podem voltar ao processo para nova produção. Algumas pessoas lavam os grãos em água corrente a cada produção e há muita controvérsia sobre isso – alguns dizem que é bom lavar e outros que não precisa. Você decide.

Caso não vá utilizar, coloque-os num vidro com leite – sempre cobertos com gaze para respirar. Você também pode congelá-los – nesse caso, embrulhe em plástico filme e coloque no freezer, onde podem ficar ‘vivos’ por até dois anos.

Imagem: ISTOCK

A bebida produzida – iogurte, iogurte grego, cream cheese, yakult -, deve ficar sempre na geladeira e consumida em até uma semana. 

A dose indicada é de 200ml por dia, que equivale a um copo/xícara – mas comece com meia xícara/dia. Pode ser ingerido ao natural, misturado com frutas, no suco ou no shake. Se consumido em excesso, pode ocorrer mal estar, principalmente pela carga elevada de bactérias de uma só vez, mesmo sendo benéficas.


Gostou? Que tal experimentar? 

Nesse link tem uma lista de doadores feita pelo perfil no Instagram do Receitas Kefir – mas, como dissemos acima, peça nos grupos do Facebook que você participa que, certamente, alguém perto de você se oferecerá para doar.

E aqui no Kefir Online você encontra mais informações e receitas.

 

Estilo 40

Estilo 40

Revista digital coordenada por Débora Böttcher, com artigos escritos ou garimpados a muitas mãos, sobre assuntos para mulheres de 40 ou mais - e para as que chegarão lá... Aconchegue-se, curta, compartilhe nossos textos e convide uma amiga para nos conhecer! Siga-nos também no FB, Twitter e Instagram [@mulherestilo40]. Um beijo e obrigada por estar aqui.

Troque ideias conosco!