DEZEMBRO

Débora Böttcher Lessa

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, amante da literatura e de chocolate. Vive um dia de cada vez. Mora em SP. Trabalha com arte visual, mídias sociais e mkt. Casada, 'mãe' da Maya, uma labradora cor de cacau, e da Luna, uma labradora black.
Também administra o Portal Babel Cultural [www.babelcultural.com]
Débora Böttcher Lessa

Últimos posts por Débora Böttcher Lessa (exibir todos)

candlesO último mês do ano abriu as portas com vestígios da impactante queda do avião na Colômbia, dizimando quase todo um time de Futebol e vários jornalistas brasileiros, além de dezenas de vítimas de outras nacionalidades.

O mundo se viu tomado pela sensação – que sempre aflora nesses momentos – de que não temos controle sobre nada. É a vida se comportando simplesmente como ela é: um sopro.

Temos consciência disso? Temos. Mas ninguém pensa sobre a morte, apesar de saber que ela é nossa única certeza. E sendo Dezembro aquele período marcado por considerações pessoais, quando a gente faz um balanço sobre tudo que pontuou o ano, a reflexão se agigantou. A comoção coletiva se mistura ao medo individual e a gente se pega perguntando intimamente: “E se fosse eu? Estou pronta (o) para deixar esse plano que habito?”

Mas, sendo esse só um pensamento furtivo e secreto, a gente segue, entre afazeres e programações, lembrando que Dezembro sempre se veste de uma certa tendência à harmonia, essa tentativa maximizada de fazer da paz o lema que nos rege, e é preciso elevar o astral.

Ainda assim, muitas pessoas se entristecem nessa época – independente do cenário.  O ano para quase todos nós foi difícil quando consideramos a crise do País, e a natureza humana está sempre perdendo-se em lembranças, exaltando mais erros que acertos, enumerando as frustrações, gerando aflição e pesar.

Nativity_treeMas dá – ô, se dá! -, mesmo com tanta angústia espalhada nesse momento e ainda que não dê pra conter a lágrima ante o sofrimento alheio, pra gente inverter essa inclinação, encher os olhos só com os sucessos, o que deu certo, as metas que se cumpriu, as boas amizades que se angariou e tudo aquilo que se alcançou, e deixar pra lá – sim, deixar pra lá – o que não deu para realizar. Comemorar as vitórias e conquistas ao invés de chorar os tombos e baques; celebrar os ganhos apesar das perdas.

E na noite mais iluminada do ano, reunir-se – com a família, os amigos, aqueles que você ama e estão por perto – e trocar mimos, abraços, fartar-se de alegrias – e guloseimas, que ninguém é de ferro (xô, dieta!) 😉

Levante sua taça — de vinho, refrigerante, água ou champanhe —, para festejar encontros, celebrar junto aos que estão presentes, contentar-se com o possível. Centralize a atenção nas pequenas coisas simples da vida, no riso e no sorriso – e mais ainda: no fazer rir e sorrir. Desarme-se e emocione-se — de gozo, euforia, saudade, amor – e  tente, a todo custo, dispensar a dor.

E na noite dourada transborde leveza: que o Natal, apesar das ausências, seja uma noite feliz, de paz e luz! Para você e os seus… Para todos.

Feliz Natal! 😉


Débora Böttcher Lessa

Débora Böttcher Lessa

Formada em Letras, amante da literatura e de chocolate. Vive um dia de cada vez. Mora em SP. Trabalha com arte visual, mídias sociais e mkt. Casada, 'mãe' da Maya, uma labradora cor de cacau, e da Luna, uma labradora black. Também administra o Portal Babel Cultural [www.babelcultural.com]

Troque ideias conosco!