ATITUDES QUE PODEM MELHORAR A DEPRESSÃO

Estilo 40

Estilo 40

Revista digital coordenada por Débora Böttcher, com artigos escritos ou garimpados a muitas mãos, sobre assuntos para mulheres de 40 ou mais - e para as que chegarão lá... Aconchegue-se, curta, compartilhe nossos textos e convide uma amiga para nos conhecer! Siga-nos também no FB, Twitter e Instagram [@mulherestilo40]. Um beijo e obrigada por estar aqui.
Estilo 40

Últimos posts por Estilo 40 (exibir todos)

depressão_12Mal compreendida e ainda cercada de preconceito, a depressão aflige muita gente que prefere guardar silêncio quanto à doença em vez de dividir o problema com os amigos ou as pessoas próximas: dificuldades de relacionamento e baixa autoestima tornam cada dia um obstáculo duro de vencer. Ao contrário do que normalmente se pensa, os fatores psicológicos e sociais, muitas vezes, são consequência e não causa da depressão. Vale ressaltar que o estresse pode precipitar a depressão em pessoas com predisposição – e segundo a OMS, uma em cada cinco pessoas no mundo apresenta o problema em algum momento da vida (especialmente logo após a perda de um ente querido, separação, perda de emprego e outras ocasiões isoladas).

depressao_13Portanto, se você sente alguns dos sintomas relacionados abaixo, considere procurar acompanhamento médico tanto para o diagnóstico quanto para o tratamento adequado que, ao contrário do que alguns temem, envolve medicações que não são como drogas – que deixam a pessoa eufórica e provocam vício. A terapia é simples e, de modo geral, não incapacita ou entorpece o paciente. Algumas pessoas precisam de tratamento de manutenção ou preventivo, que pode levar anos ou a vida inteira, para evitar o aparecimento de novos episódios de depressão.

A psicoterapia também ajuda o paciente, mas não previne novos episódios, nem cura: a técnica auxilia na reestruturação psicológica do indivíduo, além de aumentar a sua compreensão sobre o processo de depressão e na resolução de conflitos, o que diminui o impacto provocado pelo estresse.


DEPRESSAO_11São sintomas de depressão:
:. Humor depressivo ou irritabilidade, ansiedade e angústia.
:. Desânimo, cansaço fácil, necessidade de maior esforço para fazer as coisas.
:. Diminuição ou incapacidade de sentir alegria e prazer em atividades anteriormente consideradas agradáveis.
:. Desinteresse, falta de motivação e apatia.
:. Falta de vontade e indecisão.
:. Sentimentos de medo, insegurança, desesperança, desespero, desamparo e vazio.
:. Pessimismo, ideias frequentes e desproporcionais de culpa, baixa autoestima, sensação de falta de sentido na vida, inutilidade, ruína, fracasso, doença ou morte.
:. Desejos de morrer, planejar uma forma de morrer ou tentar suicídio.
:. Interpretação distorcida e negativa da realidade: tudo é visto sob a ótica depressiva, um tom “cinzento” para si, os outros e o seu mundo.
:. Dificuldade de concentração, raciocínio mais lento e esquecimento.
:. Diminuição do desempenho sexual (pode até manter atividade sexual, mas sem a conotação prazerosa habitual) e da libido.
:. Perda ou aumento do apetite e do peso.
:. Insônia (dificuldade de conciliar o sono, múltiplos despertares ou sensação de sono muito superficial), despertar matinal precoce (geralmente duas horas antes do horário habitual) ou, menos frequentemente, aumento do sono (dorme demais e mesmo assim fica com sono a maior parte do tempo).
:. Dores e outros sintomas físicos não justificados por problemas médicos, como dores de barriga, má digestão, azia, diarreia, constipação, flatulência, tensão na nuca e nos ombros, dor de cabeça ou no corpo, sensação de corpo pesado ou de pressão no peito, entre outros.


Além do tratamento, quem sofre desse mal também pode tomar atitudes que melhoram o quadro.

:. Praticar exercícios físicos – O exercício físico libera endorfinas e aumenta os níveis de serotonina e dopamina, potencializando o efeito antidepressivo do tratamento.

:. Manter em dia a agenda – Fazer uma agenda e programar o dia ajuda a dar motivação e compensar a falta de inciativa – decorrente da depressão. Mas atenção: a agenda deve ser realista, de acordo com a capacidade pessoal, para que o eventual não cumprimento não aumente a sensação de fracasso.

:. Alimentar-se bem – Manter a alimentação saudável é um passo importante para a recuperação. Jejuns prolongados demais ou exageros alimentares modificam a química do corpo, em especial entre aqueles que abusam de carboidratos (como doces), em busca de conforto. É recomendado comer a cada três ou quatro horas, preferindo carboidratos integrais e alimentos com triptofano, um aminoácido que ajuda na produção de serotonina – como leite, carnes magras, banana e nozes.

:. Fugir do álcool – Embora a sensação inicial causada pelo álcool seja de relaxamento e euforia, o sentimento dura pouco – além de existir o perigo do abuso e até do vício.

:. Voltar a ver beleza nas pequenas coisas – Observar as coisas simples do dia a dia – como admirar uma flor, o gosto de uma comida, apreciar uma caminhada de 10 minutos, olhar o pôr-do-sol, entre outras distrações. A depressão tira a atenção das coisas belas e prazerosas da vida, então é importante reaprender a focar no que não se consegue ver por causa da doença.

:. Ocupar-se com atividades divertidas – A partir do momento que as pequenas belezas da vida estiverem mais evidentes, fica mais fácil recomeçar a encarar atividades que um dia já foram divertidas. Se isso não parecer animador, é necessário procurar novas diversões, buscar novidades, aprender coisas novas e prazerosas, viajar, fugir das notícias ruins e de pessoas negativas.

:. Reconquistar uma boa noite de sono – Pessoas com depressão, geralmente, dormem demais ou não conseguem pegar no sono. Mas o sono é essencial para o cérebro regular os hormônios e amenizar os efeitos da depressão. Se o problema for falta de sono, faça exercícios de respiração, que relaxam e facilitam o adormecer. Se dormir demais for o problema, uma ideia é que alguém próximo desperte o paciente quando achar que ele está passando da conta.


Leia também aqui.


Fonte: Portal Minha Vida

Estilo 40

Estilo 40

Revista digital coordenada por Débora Böttcher, com artigos escritos ou garimpados a muitas mãos, sobre assuntos para mulheres de 40 ou mais - e para as que chegarão lá... Aconchegue-se, curta, compartilhe nossos textos e convide uma amiga para nos conhecer! Siga-nos também no FB, Twitter e Instagram [@mulherestilo40]. Um beijo e obrigada por estar aqui.

Troque ideias conosco!